ABC - quarta-feira , 19 de junho de 2024

Noruega, Irlanda e Espanha anunciam reconhecimento do Estado palestino, em movimento histórico

A Noruega, a Irlanda e a Espanha declararam nesta quarta-feira, 22, que estão reconhecendo um Estado palestino em uma ação histórica que atraiu a condenação de Israel e a comemoração dos palestinos. Israel ordenou imediatamente o retorno de seus embaixadores da Noruega e da Irlanda.

Embora vários países tenham reconhecido a condição de Estado palestino, as decisões anunciadas nesta quarta-feira têm peso em meio ao crescente número de vítimas da ofensiva militar de Israel em Gaza porque a maioria dos países da Europa Ocidental resistiu a reconhecê-lo.

Newsletter RD

“Os palestinos têm um direito fundamental a um Estado independente”, disse Jonas Gahr Store, primeiro-ministro da Noruega, em uma coletiva de imprensa em Oslo, anunciando a decisão, que entrará em vigor na próxima terça-feira, 28. A decisão da Espanha entrará em vigor no mesmo dia, disse Pedro Sánchez em comentários ao Parlamento.

Ele disse que a Espanha foi forçada a agir porque o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, não tinha um plano para a paz com os palestinos. “A solução de dois estados está em perigo”, disse Sánchez, referindo-se a uma estrutura proposta para estabelecer um Estado da Palestina ao lado de Israel.

O primeiro-ministro da Irlanda, Simon Harris, disse em uma coletiva de imprensa que estava confiante de que outros países se juntariam a eles no reconhecimento da condição de Estado palestino nas próximas semanas.

Foi uma cascata relâmpago de anúncios. Primeiro foi a Noruega, cujo primeiro-ministro Jonas Gahr Støre disse que “não pode haver paz no Oriente Médio se não houver reconhecimento”.

Nas últimas semanas, vários países da União Europeia indicaram que planejam fazer o reconhecimento, argumentando que uma solução de dois Estados é essencial para a paz duradoura na região. A decisão pode gerar um impulso para o reconhecimento de um Estado palestino por outros países da UE e pode estimular outras medidas nas Nações Unidas, aprofundando o isolamento de Israel.

Mais de 140 países e a Santa Sé reconheceram um Estado palestino, mas a maioria dos países da Europa Ocidental e os Estados Unidos não o fizeram. Eles afirmam que o reconhecimento deve ser obtido por meio de negociações entre israelenses e palestinos e que, embora apoiem uma solução de dois Estados, medidas unilaterais de terceiros não promoverão esse objetivo.

A Noruega, que não é membro da União Europeia, mas se espelha em seus movimentos, tem sido uma fervorosa defensora de uma solução de dois Estados entre Israel e os palestinos.

“O terror foi cometido pelo Hamas e por grupos militantes que não apoiam a solução de dois Estados e o Estado de Israel”, disse o líder do governo norueguês.

A medida ocorre no momento em que as forças israelenses realizaram ataques nas extremidades norte e sul da Faixa de Gaza em maio, causando um novo êxodo de centenas de milhares de pessoas, e restringiram drasticamente o fluxo de ajuda, aumentando o risco de fome.

O país escandinavo “portanto, considerará a Palestina como um estado independente com todos os direitos e obrigações que isso implica”, disse Gahr Støre.

O desenvolvimento ocorre mais de 30 anos após a assinatura do primeiro acordo de Oslo, em 1993. Desde então, “os palestinos deram passos importantes em direção a uma solução de dois Estados”, disse o governo norueguês.

Ele disse que o Banco Mundial determinou que um Estado palestino havia cumprido os principais critérios para funcionar como um Estado em 2011, que as instituições nacionais foram criadas para fornecer serviços importantes à população.

“A guerra em Gaza e a constante expansão dos assentamentos ilegais na Cisjordânia ainda significam que a situação na Palestina é mais difícil do que tem sido em décadas”, disse o governo norueguês.

Decisão coordenada

O primeiro-ministro irlandês Simon Harris fez seu anúncio, dizendo que era uma ação coordenada com a Espanha e a Noruega, “um dia histórico e importante para a Irlanda e para a Palestina”.

Pedro Sánchez passou meses percorrendo países europeus e do Oriente Médio para angariar apoio para o reconhecimento de um Estado palestino, bem como para um possível cessar-fogo em Gaza. Ele disse várias vezes que estava comprometido com a medida.

“Sabemos que essa iniciativa não trará de volta o passado e as vidas perdidas na Palestina, mas acreditamos que ela dará aos palestinos duas coisas que são muito importantes para seu presente e seu futuro: dignidade e esperança”, disse Sánchez.

“Esse reconhecimento não é contra ninguém, não é contra o povo israelense”, acrescentou Sánchez, embora reconheça que isso provavelmente causará tensões diplomáticas com Tel Aviv. “É um ato em favor da paz, da justiça e da consistência moral.”

Sánchez argumentou que a medida é necessária para apoiar a viabilidade de uma solução de dois Estados que, segundo ele, “está correndo sério risco” com a guerra em Gaza.

“Passei semanas e meses conversando com líderes dentro e fora da região e se uma coisa está clara é que o primeiro-ministro (Benjamin) Netanyahu não tem um projeto de paz para a Palestina, mesmo que a luta contra o grupo terrorista Hamas seja legítima”, disse o líder espanhol.

No início deste mês, o ministro das Relações Exteriores da Espanha, José Albares, disse que havia informado o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, sobre a intenção de seu governo de reconhecer um Estado palestino.

Condenação de Israel

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, ordenou que os embaixadores de Israel na Irlanda e na Noruega retornassem imediatamente a Israel, pois a Noruega disse que reconheceria um Estado palestino e esperava-se que a Irlanda fizesse o mesmo.

“A Irlanda e a Noruega pretendem enviar hoje uma mensagem aos palestinos e ao mundo inteiro: o terrorismo compensa”, disse Katz.

Ele disse que o reconhecimento poderia impedir os esforços para devolver os reféns israelenses mantidos em Gaza e tornar um cessar-fogo menos provável ao “recompensar os jihadistas do Hamas e do Irã”. Ele também ameaçou retirar o embaixador de Israel na Espanha se o país adotasse posição semelhante – o que, por fim, ocorreu.

O presidente palestino Mahmoud Abbas saudou o reconhecimento de um Estado palestino pela Noruega e conclamou outros países a segui-lo.

Em uma declaração divulgada pela agência de notícias oficial Wafa, Abbas disse que a decisão da Noruega consagrará “o direito do povo palestino à autodeterminação” e apoiará os esforços para a obtenção de uma solução de dois estados com Israel.

A Organização para a Libertação da Palestina (OLP), considerada internacionalmente como a única representante legítima do povo palestino, classificou nesta quarta-feira como “histórico” o reconhecimento do Estado palestino pelos três países europeus.

O reconhecimento pela Espanha, Irlanda e Noruega é “um momento histórico no qual o mundo livre triunfa pela verdade e pela justiça”, disse Hussein al-Sheikh, secretário-geral do comitê executivo da OLP, no X, antigo Twitter. (Com agências internacionais).

Receba notícias do ABC diariamente em seu telefone.
Envie a mensagem “receber” via WhatsApp para o número 11 99927-5496.

Compartilhar nas redes