Prefeitura e polícia agem contra desmatamento e venda clandestina de lotes em RGS

Terreno no Parque América está repleto de estacas amarelas que fazem a delimitação dos lotes a serem comercializados clandestinamente. (Foto: Rede Social)

Quarenta mil reais; esse é o preço pedido para um lote em um terreno que fica em área de preservação no Parque América, em Rio Grande da Serra. O terreno de cerca de 3 mil metros quadrados, que fica em área de proteção aos mananciais é desmatado aos poucos e já há até delimitação de lotes para venda. No dia 30/05 a Polícia Militar Ambiental esteve no local e autuou quem estava na área e a prefeitura também participou da ação. Moradores relataram a apreensão de duas motosserras. Mas foi só a fiscalização sair que os crimes ambientais voltaram a ocorrer.

Um morador do bairro, que pediu para não ser identificado, contou que o homem que se diz dono do terreno, não esconde de ninguém suas intenções. “Eu já vi ele até em ponto de ônibus oferecendo terreno a R$ 40 mil. A gente que veio para cá com tudo certinho, nos esforçamos para comprar, gostamos daqui e a gente quer preservar. Se não pode desmatar ele está cometendo crime”, disse o morador.

Newsletter RD

Durante a intervenção da PM no local houve autuação pelo crime ambiental. A prefeitura disse, em nota, que apenas acompanhou a ação dos policiais e que vai continuar monitorando a área. “Na data de 30/05, a prefeitura através da equipe de fiscalização ambiental foi até o local em apuração de denúncia e constatou que a intervenção já havia sido autuada pela polícia militar ambiental, razão pela qual não houve nova autuação. Não houve relatos de continuidade da intervenção ainda assim o meio ambiente incluiu o local no cronograma de fiscalização repetitiva”.

O terreno é particular e a prefeitura afirma que está analisando a matrícula imobiliária para checar os limites de intervenções que podem ser feitas neste tipo de área. A prefeitura diz ainda que a área foi embargada pela polícia militar e se apura quem são os infratores.

Ainda de acordo com moradores do entorno do terreno, balizas de bambu amarelas estão postadas nas divisas dos lotes e pessoas estranhas entram e saem do terreno, cortando árvores, principalmente no final de semana quando a fiscalização é menor. “A gente sabe que é uma ação de grilagem, estão tentando fazer isso já faz tempo, agora estão ameaçando colocar vigias nas entradas do bairro para avisar caso a polícia ou a fiscalização apareça”, completou o morador.

A Polícia Militar foi procurada para falar sobre as medidas tomadas e se também monitorará o local, mas até o fechamento desta reportagem, não se posicionou.

Compartilhar nas redes