Economista Armando Castelar se diz contrário à flexibilização da PEC do teto

O economista e coordenador de economia aplicada do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Armando Castelar, se posicionou nesta quarta-feira, 11, contrário à flexibilização da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que criou o teto dos gastos para que o governo possa vir a fazer investimentos. Castelar participou do segundo painel do Seminário FGV Ibre Estadão, que acontece na sede da FGV na capital paulista.

A discussão sobre uma possível alteração nas regras do teto dos gastos ganhou força por conta da ausência de investimentos na economia, em especial na infraestrutura, e da elevada taxa de desemprego no País, que atinge 11,8% da População Economicamente Ativa (PEA).

A ideia por trás da defesa da flexibilização do teto dos gastos é dar um impulso à economia. O risco, segundo Castelar, é que depois o impacto passa, como ocorreu com a liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) no governo de Michel Temer.

Por outro lado, segundo o economista, se for para fazer investimentos públicos todos os anos, novamente a economia vai esbarrar em problemas fiscais como os que levaram à crise fiscal atual.

“A criação do teto dos gastos não foi uma opção, mas uma necessidade à falta de uma dinâmica fiscal”, observou Castelar.

Receba diariamente o RD em seu WhatsApp
Envie um WhatsApp para 11 94984-9581 para receber notícias do ABC diariamente em seu celular.

Comentários