Dia dos Pais movimentará R$ 72 milhões na região

Calçados estão entre as compras preferidas no Dia dos Pais (Foto: Pedro Diogo)

O Dia dos Pais, comemorado no domingo, 13 de agosto, deve gerar bons resultados para o comércio da região. A Pesquisa de Intenção de Compras (PIC), realizada pelo Observatório Econômico da Universidade Metodista, feita para orientar os lojistas, indica que o consumidor deve gastar cerca de R$ 20 a mais no presente do que em 2016. O gasto médio deve ser de R$ 196, principalmente em shoppings e lojas nos centros comerciais, e a maior parte deve pagar com dinheiro ou cartão de crédito. A injeção de recursos na economia regional é aproximadamente R$ 72 milhões, cifra 12% superior em relação à mesma data no ano passado.

O resultado não surpreendeu muito o professor Moisés Pais dos Santos, pesquisador do Observatório. “A última PIC [sobre o Dia dos Namorados] já mostrou melhora na disposição do consumidor em comprar presentes”, ressalta. O cenário é atribuído ao aumento do poder de compra, diante de uma taxa de inflação abaixo da meta estabelecida pelo Banco Central. Além disso, apesar de não apresentar melhoras, o crescimento econômico nacional deixou de piorar, como indica a Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A PIC ouviu 300 consumidores, que responderam a diversos questionamentos. O preço médio que os consumidores estão dispostos a pagar por presente é de R$ 194 com um gasto programado de R$ 206. Os pais ganham de longe na lista dos mais presenteados (73,4%) em relação em relação aos maridos, avôs e sogros. “Porém, o maior valor será para os maridos, que ganharão presentes de R$ 560, enquanto os pais R$ 202”, comenta. Em relação ao tipo de produto, os consumidores devem comprar, principalmente, roupas, calçados, perfumes, cosméticos e artigos esportivos, seguidos por jantares, passeios, relógios e joias.

Os principais fatores determinantes para a escolha do tipo de comércio foram a proximidade do estabelecimento (38%), a diversidade de produto (18,8%) e a acessibilidade (15%). Apenas 10,5% dos consumidores ouvidos disseram que o preço é um dos fatores determinantes.

Em relação à mobilidade dos consumidores, 25,5% dos entrevistados deverão adquirir os presentes em municípios diferentes de onde residem. Nas cidades onde a estrutura comercial é limitada, os consumidores mostram mais disposição para realizar compras em outros locais: todos os moradores de Rio Grande da Serra ouvidos pela pesquisa deverão realizar compras fora, assim como 58,5% dos munícipes de Mauá e 55,3% de Ribeirão Pires. Por outro lado, na fuga por outra cidade, cerca de ¼ dos entrevistados pretendem realizar suas compras em São Bernardo e Santo André.

Comentários