ABC - sexta-feira , 14 de junho de 2024

Sebrae quer oferecer conscientização na busca de crédito

Há um mês o Governo Federal lançou o Programa Acredita, que visa auxiliar os micros, pequenos e médios empreendedores com linhas de crédito e um programa para redução das dívidas. O Sebrae será um dos integrantes deste programa bilionário. Ao RD Momento Econômico Debate desta sexta-feira (24/05), o gerente de Capitalização e Serviços Financeiros do Sebrae, Valdir Oliveira, explicou qual será o papel da entidade neste processo, principalmente na busca pela orientação.

O Sebrae conta com dois tipos de participação neste programa. Um será a partir de um fundo garantidor e outro a partir da assistência ao crédito, visando alcançar a meta de 1 milhão de atendimentos nesta ação. Todo o processo já consta na plataforma Crédito Consciente, no site da entidade.

Newsletter RD

“Quando as pessoas querem empreender, elas trabalham com um impacto emocional muito grande, o sonho está muito forte e precisamos trazer um pouco para a realidade. A melhor forma de trazer para a realidade é fazendo com que o empreendedor vivencie a sua necessidade de crédito e foi essa a dinâmica que construímos”, iniciou Oliveira.

Valdir lembra que os programas não impedem a participação destes empreendedores em outros cursos e ações do Sebrae (Foto: Reprodução/RDtv)

A participação do Sebrae, principalmente visando o micro e pequeno empreendedor, está descrita em três eixos dentro do Programa Acredita. O primeiro, denominado Acredita Primeiros Passos, visa auxiliar aqueles que estão no CAD Único e no Bolsa Família. O fundo garantir conta com o valor de R$ 500 milhões para operação de crédito para os MEIs.

“É uma oportunidade para que esses microempreendedores possam se desenvolver melhor e com isso ter uma condição de sustentabilidade melhor para ele e suas famílias, e quem sabe, no futuro, possa optar pela saída desse modelo”, explica o gerente. Este processo é chamado de Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado.

O segundo eixo é o Acredita Brasil, que conta com uma espécie de Programa Desenrola, que visa reduzir as dívidas das micro e pequenas empresas que contam com algum tipo de inadimplência. Segundo Valdir, 6,3 milhões de CNPJs destes tipos de empresa estão com alguma pendência financeira. O especialista aponta que o crescimento deste número ocorreu durante a pandemia do Covid-19.

A ideia é que os micros e pequenos empreendedores possam usar este primeiro semestre para garantir que o nome de sua empresa fique limpo e assim seguir para a próxima etapa, no caso, a busca por crédito.

Esse terceiro eixo é denominado Pró crédito 360. A partir de julho, empresas com faturamento anual de até R$ 360 mil podem procurar o programa. A taxa de juros é a Selic + 5%. Neste caso, apenas Meis e pequenas empresas podem participar.

Empresas com faturamento acima de R$ 360 mil anuais e no máximo R$ 4 milhões podem acionar o programa Acredita Sebrae. A ideia é que R$ 30 bilhões em crédito para pequenos negócios sejam aportados nos próximos três anos. Todos eles de forma orientada, para que erros de programas anteriores não sejam repetidos.

“Se fizéssemos assim (sem orientação), cometeríamos o mesmo erro que aconteceu na pandemia com o Pronampe. Não adianta só dar crédito, você tem que preparar. Mas o principal é que crédito é como remédio, se ele for dado na dose certa, ele salva o paciente. Se você errar a dosagem, você coloca em risco o paciente”, exemplifica o gerente.

Receba notícias do ABC diariamente em seu telefone.
Envie a mensagem “receber” via WhatsApp para o número 11 99927-5496.

Compartilhar nas redes