Usina de Papel de Santo André ajuda jovens e o meio ambiente

A Usina de Triagem e Reciclagem de Papel de Santo André completou no mês de novembro 10 anos de atividades. Neste período, find já reciclou 1, health 2 mil toneladas de papel, que deixaram de poluir o meio ambiente, e ajudou 417 adolescentes entre 14 e 18 anos em situação de risco social.

Além de fazer a triagem de parte do papel que é enviado para a reciclagem em Santo André, a usina produz papel artesanal que é transformado em diversos objetos. Porta-retratos e canetas, caixas, agendas, blocos para anotação e até bolsas são feitos com o papel artesanal. Todo o material é vendido e o dinheiro revertido para o programa.

Os preços variam de R$ 1,50 (bloco pequeno) a R$ 30 (caixa grande de coração). Há também agendas por R$ 20 (pequena) e R$ 22 (grande), porta-retratos por R$ 9 (simples) e R$ 13 (duplo), porta lápis por R$ 7, cartões de Natal por R$ 5, bolsa por R$ 20, imã de geladeira or R$ 1,50 e agenda de telefone por R$ 9. Para dar um toque especial e diversificar o produto, o papel é misturado a corante de roupa e a fibras vegetais de diversos produtos, como coco, cebola, cana de açúcar, capim e sisal.

Trinta e cinco adolescentes participam do processo, desde a separação do papel até a confecção dos objetos (confira nesta página como o papel artesanal é feito). Elas ganham bolsas-auxílio, que podem variar de R$ 150 a R$ 350. Ariane Cristina da Silva (fotos nesta págian), 18 anos, está no programa há dois anos e já é uma líder. Coordena a produção da mesa de papel. A um passo de concluir o terceiro ano do ensino fundamental, Ariane diz que já está preparada para enfrentar o mercado de trabalho fora da usina.

Durante esses dois anos, fez vários cursos, como informática, empreendedorismo e etiqueta profissional, todos oferecidos por parceiros da Usina de Papel. “Fora daqui não teria tido essa oportunidade”, afirma. Ariane conta que suas notas na escola melhoraram muito, mesmo tendo outros fazeres. “Hoje estudo muito mais. Antes, perdia tempo na rua ou dormindo”, conta.

As notas dos participantes do programa são controladas. Notas vermelhas são penalizadas com desconto no pagamento. Notas azuis, acréscimo. “Essa é uma forma de incentivar os adolescentes. Freqüentar a escola é um requisito básico para estar aqui?, explica a coordenadora da Usina de Papel, Adevanir Paiola.

Segundo ela, a lista de espera para ingressar no programa é grande, mas não há como atender a um número maior de jovens. Além da bolsa-auxílio e de cursos, os adolescentes contam com refeições (café da manhã e almoço) e atendimento de saúde. ?Eles passam por consultas médicas e fazem os exames necessários. Também contam com atendimento odontológico?, conta Adevanir.

Visitação

A Usina de Papel também recebe estudantes de escolas públicas e particulares da região. Durante a visita, as crianças e jovens aprendem todo o processo para confecção do papel artesanal.

Os interessados devem agendar a visita pelos telefones 4463-3241 e 4433-9934. A Usina de Papel fica dentro das instalações da Craisa, na avenida dos Estados. Mais informações pelo site www.usinadepapel.org.br.

Comentários