Servidores de São Bernardo decretam greve

O principal item da lista de reivindicações é o reajuste de 12,5% nos salários.

Reunidos em assembleia na noite desta quinta-feira (7), funcionários públicos de São Bernardo decidiram entrar em greve a partir da semana que vem. A paralisação terá início às 6h da próxima quarta-feira (13) e seguirá por tempo indeterminado. A decisão dos trabalhadores foi quase unânime.

A assembleia foi realizada na Praça Santa Filomena, na rua Marechal Deodoro. Mais cedo, às 10h, representantes do Sindserv (Sindicato dos Servidores) se reuniram com a Prefeitura para tentar chegar a um acordo, mas não obtiveram sucesso.

“A Prefeitura não apresentou nenhuma proposta, para nenhum dos itens da pauta”, afirma o presidente do Sindserv São Bernardo, Giovani Chagas. O principal item da lista de reivindicações, que foi apresentada à Prefeitura em fevereiro, é o reajuste de 12,5% nos salários (8% de reposição da inflação e 4,5% de aumento real).

É a primeira vez que ocorrerá uma greve geral dos funcionários públicos de São Bernardo durante o governo Luiz Marinho (PT). Paralisações de categorias específicas chegaram a ser realizadas, como a greve dos professores da rede municipal, em 2012.

“Enquanto outras cidades já discutiram e fecharam acordos, em São Bernardo, que tem o maior orçamento da região, nem sequer uma proposta foi feita. O governo não teve vontade política de discutir”, reclama Giovani Chagas. “Eles disseram que poderiam apresentar uma proposta somente na segunda quinzena do mês”.

Pauta e atos

Além do reajuste de 12,5%, o Sindserv São Bernardo pede abono de final de ano de R$ 500, mudança do auxílio-alimentação para vale-refeição no valor de R$ 22 por dia e implantação do Cartão Servidor no valor de uma cesta básica (R$ 370).

Os servidores prometem realizar atos nos dias que antecedem a paralisação. Durante o próximo final de semana a categoria vai percorrer ruas do Centro e feiras livres para avisar a população sobre a greve que terá início no dia 13. Não há, por enquanto, nenhuma outra reunião marcada entre sindicato e Prefeitura.

Outras cidades

Em São Caetano, a prefeitura ofereceu 7,15% de reajuste, sem parcelamento. A proposta foi apresentada para a categoria nesta quinta-feira pelo secretário de Governo, Nilson Bonome (PMDB). O sindicato dos Servidores de São Caetano ainda vai avaliar o índice apresentado pelo Palácio da Cerâmica.

Em Mauá, o aumento acordado foi de 8,13%, que será aplicado de uma vez só. Em Diadema, o índice aprovado foi de 7,89%, parcelado em seis vezes. Rio Grande da Serra vai fornecer o aumento mais generoso da região: 9%.

Santo André ofereceu reajuste de 8,21%, parcelado em três vezes. Os servidores da cidade recusaram a proposta e decidirão na semana que vem se entrarão em greve.

Receba diariamente o RD em seu Whatsapp
Envie um WhatsApp para 11 94984-9581 para receber notícias do ABC diariamente em seu celular.

Comentários