Museus do ABC têm entrada gratuita para população

Museu Histórico Municipal de São Caetano funciona de segunda a sabado

Enquanto em São Paulo o projeto de gratuidade acaba de ser instalado, na região do ABC, os espaços culturais sempre foram gratuitos. O Governo do Estado deu início a um projeto para incentivar visita a museus da Capital (será possível visitar todos de graça até o ano que vem). Porém, no ABC, a gratuidade sempre foi mantida, e não tão bem aproveitada pelo público.

Em Mauá, o Museu Histórico Barão de Mauá é tombado como patrimônio histórico da cidade. Está instalado em um casarão remanescente do período inicial da ocupação territorial paulista, construído no decorrer do século XVIII, um importante exemplar bandeirista. O Museu possui rico acervo de fotografias, objetos e documentos e recebe munícipes e alunos em visitas programadas, além de promover exposições e eventos culturais.

O espaço fica localizado na av. Getúlio Vargas, 276, na Vila Guarani.(Tels.4519-4011/4519-6456).O Museu funciona de 2ª feiras as 6ª feiras, das 9h às 16h. Aos sábados, das 10h às 15h, e tem, em média, entre 400 e 500 pessoas por mês.

Já em Santo André, o Museu Dr. Octaviano Armando Gaiarsa também tem entrada gratuita e foi oficialmente criado em 1982. O espaço passou a ocupar, em 1988, parte do prédio da então Secretaria de Educação, Cultura e Esporte, no Paço Municipal. Foi transferido para sua sede definitiva nas instalações atuais (Rua Senador Fláquer, 470 – Centro) em agosto de 1990. Ao longo deste tempo, coletou materiais de interesse para a reconstituição da história da cidade, com o objetivo de valorizar as pessoas, o lugar onde vivem e seu legado cultural. Os bens culturais mais antigos são do final do século XIX e os mais recentes, de 2014. A média diária de público do museu varia de acordo com as atividades desenvolvidas. São 30-40 pessoas por dia, 600 ao mês, aproximadamente.

Em São Caetano, o público que gosta de cultura tem duas opções. A Pinacoteca Municipal e o Museu Histórico Municipal. O primeiro, localizado na Avenida Dr. Augusto de Toledo, nº 255, funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, e sábado, das 9h às 13h(4223-4780)

A Pinacoteca Municipal foi inaugurada em 2002, integrando a estrutura da Fundação Pró-Memória de São Caetano. Teve como proposta inicial abrigar uma coleção de arte premiada nos Salões de Arte Contemporânea que ocorreram em São Caetano entre 1967 e 1980. Ao longo de mais de uma década, a Pinacoteca possibilitou a realização de exposições, incentivando novos artistas e trazendo para a cidade nomes consagrados da arte contemporânea nacional e internacional a exemplo de Anita Malfatti, Maria Bonomi, Aldemir Martins, Gregório Gruber, Antonio Lucio Pegoraro, Collete Pujol, Hannah Brandt e Iole di Natale.

Nesses 11 anos de atividade, o acervo foi sendo ampliado, seja por meio de aquisições ou por doações, fato que dinamiza o desenvolvimento de atividades e pesquisas no acervo. Catalogado e registrado, conta com mais de 400 obras, preservadas em uma reserva técnica criada segundo normas museológicas e padrões internacionais.

Com uma visitação que gira em torno de sete mil pessoas por ano, a Pinacoteca desenvolve ainda o programa Agir e Interagir – Arte de Criação que oferece aos estudantes e professores não apenas um passeio pelo espaço expositivo, mas, principalmente, atividades de ateliê referentes à mostra do período. Promove ainda um programa denominado Sextas com Arte, que abre o ateliê para artistas e público, sem restrições. A Pinacoteca Municipal tem por norma básica o conhecimento, a pesquisa e a interação entre o fazer artístico e a vivência social.

O outro, o Museu Histórico Municipal, localizado na Rua Maximiliano Lorenzini, nº 122, funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, e sábado, das 9h às 13h(
Telefone: 4229-1988)

O Museu Histórico Municipal funciona no antigo Palacete De Nardi, no Bairro da Fundação, edifício construído no final do século 19 pela tradicional família De Nardi, que chegou à cidade em 28 de julho de 1877 na primeira leva de imigrantes italianos vindos da província de Treviso.

Seu acervo conta com um significativo número de objetos históricos museológicos que resgatam o patrimônio material e imaterial do povo sul-são-caetanense e que revivem várias fases do desenvolvimento da cidade. São cerca de 5 mil peças, organizadas e armazenadas segundo padrões internacionais de museologia. Entre elas estão ferramentas de trabalho, utensílios domésticos, peças de vestuário, retratos dos pioneiros da colonização, peças sacras, móveis e objetos das olarias e cerâmicas de São Caetano.

Além das exposições bimestrais com temas ligados ao município, o Museu promove projetos especiais como A Peça em Destaque. Grande parte de seu acervo fica em exposição de longa duração aberta à visitação pública.

Em Ribeirão Pires, o Museu Família Pires, que fica na av. Prefeito Valdírio Brisco 193 – centro, funciona provisoriamente de segunda à sexta, das 8h às 17h, pois até o fim do ano, ele mudará de local. Também provisoriamente, o museu não fica aberto aos fins de semana. O Museu tem aproximadamente 30 anos, e seu maior público são as escolas que agendam visitas.
 

Receba diariamente o RD em seu WhatsApp
Envie um WhatsApp para 11 99927-5496 para receber notícias do ABC diariamente em seu celular.

Comentários