ABC - sexta-feira , 14 de junho de 2024

Moraes sobre antiga fala de Eduardo Bolsonaro: ‘Cabo, soldado e coronel estão presos’

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes ironizou nesta quarta-feira, 22, uma declaração do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), em que o filho “03” do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que seria necessário apenas “um cabo e um soldado” para fechar o STF. Sem citar o nome do deputado, Moraes afirmou que “o cabo, o soldado, o coronel estão todos presos”, enquanto o Supremo segue aberto.

A declaração foi dada por Moraes no segundo e último dia do evento sobre inteligência artificial, democracia e eleições do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o qual preside. O ministro falava sobre os ataques golpistas do 8 de Janeiro.

Newsletter RD

“Todos se recordam que bastava um cabo e um soldado para fechar o STF. O cabo, o soldado, o coronel estão todos presos, e o STF aberto e funcionando. Mas se disse que bastaria um cabo e um soldado”, afirmou Moraes. Em seguida, o ministro disse que foram milhares de pessoas que tentaram, atacando as sedes dos Três Poderes, garantir o que chamou de “novo populismo”.

“Não foi um cabo e um soldado, foram milhares de pessoas que destruíram o prédio do Supremo Tribunal Federal, para o confronto ao Judiciário, para tentar, exatamente, garantir esse novo populismo.”

Durante a campanha presidencial em 2018, Eduardo Bolsonaro, em uma palestra para alunos de um curso preparatório para o concurso da Polícia Federal (PF), afirmou que “você não manda nem um Jipe”, se o objetivo for fechar a Corte.

O contexto era uma possibilidade de a candidatura de Bolsonaro, na época presidenciável, ser barrada pelo STF, o que Eduardo afirmou que seria um caso de exceção. “Aí eles vão ter que pagar para ver. Será eles que vão ter essa força mesmo? O pessoal até brinca lá: se quiser fechar o STF sabe o que você faz? Você não manda nem um Jipe, manda um soldado e um cabo. Não é querendo desmerecer o soldado e o cabo. O que é o STF cara? Tira o poder da caneta de um ministro do STF, o que ele é na rua?”, disse o filho do ex-presidente, na época.

No seminário desta quarta, o ministro afirmou que os populistas extremistas têm atacado os instrumentos que garantem a democracia, no caso, o sistema eleitoral, usando as redes sociais para propagar notícias falsas e desinformação sobre as urnas eletrônicas.

“Eu sou um democrata, o povo me ama, olha quantas pessoas eu levo para a rua. Se não ganhei a eleição, houve fraude”, disse Moraes, parafraseando o que os líderes populistas e extremistas alegam. Como exemplo de onde isso ocorreu, o ministro citou os Estados Unidos e o Brasil, referindo-se à tentativa de descredibilização das urnas promovida pelo ex-presidente Jair Bolsonaro.

Moraes afirma que não há a “mínima possibilidade” de que as big techs não saibam que estão sendo instrumentalizadas para esses fins extremistas, e defendeu diversas vezes a regulamentação das plataformas digitais no País.

Em janeiro, o ministro submeteu uma tese sobre “milícias digitais” para concorrer a uma vaga de professor titular da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Nela, Moraes comparou os métodos utilizados para a propagação de desinformação na internet àqueles utilizados em regimes fascista e nazista.

Para assistir ao vídeo com a declaração de Alexandre de Moraes, é só clicar aqui.

Receba notícias do ABC diariamente em seu telefone.
Envie a mensagem “receber” via WhatsApp para o número 11 99927-5496.

Compartilhar nas redes