ABC - sexta-feira , 14 de junho de 2024

Cotado à presidência do PT, Edinho Silva, prefeito de Araraquara, busca protagonismo no RS

Um dos favoritos para suceder Paulo Pimenta no comando da Secretaria de Comunicação Social (Secom) é o prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), que tenta ganhar protagonismo com ações de ajuda humanitária ao Rio Grande do Sul (RS). O petista, que também é cotado para a presidência do PT, fez momentos de “dobradinha” com a primeira-dama Rosângela Silva, a Janja, na comunicação das ações do governo e ainda articulou campanhas de arrecadação de doações com empresários araraquarenses.

Além de tentar ganhar projeção com ações de apoio ao Estado afetado pelas enchentes, Edinho conquistou destaque nas redes sociais de Janja, com quem viajou no dia 8 de maio, na condição de integrante da comitiva ministerial de ação humanitária aos gaúchos. Edinho foi procurado pela reportagem para comentar as ações em prol do Rio Grande do Sul, mas não retornou o contato.

Newsletter RD

A primeira-dama publicou três vídeos ao lado do prefeito nos quais destaca a compra e distribuição de purificadores de água para abrigos no Rio Grande Sul. Em entrevista ao podcast Meio Tempo, da FGV-Rio, Edinho revelou ter recebido da primeira-dama a missão de negociar a compra dos purificadores com um empresário da cidade de São Carlos, que é vizinha de Araraquara.

“A Janja me ligou pedindo que eu me localizasse na cidade vizinha à Araraquara, que é São Carlos, uma empresa que produz purificadores. Claro, eu passei o final de semana todo e localizamos essa empresa e eu pedi que o empresário não vendesse mais nenhum purificador porque havia um esforço grande para que nós pudéssemos comprar rapidamente aqueles purificadores e eles fossem transportados para o Rio Grande do Sul”, disse Edinho.

O atendimento ao chamado de Janja, além de ajudar as vítimas das enchentes, se transformou em vídeos curtos nas redes sociais que reuniram cerca de 1,5 milhões de visualizações cada. Em uma das publicações, a primeira-dama posa ao lado de Edinho no avião que transportava a comitiva ministerial para o Rio Grande do Sul e destaca a importância dos purificadores na ação humanitária promovida pelo Palácio do Planalto. “A gente não costuma fazer vídeos dentro do avião presidencial. Esse é o KC-30, o avião do presidente da República, e hoje ele está carregado”, destacou Janja ao lado de Edinho.

Edinho pode ficar à frente do PT ou assumir Secom de Lula

Edson Antonio da Silva tem 58 anos, é formado em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e se filiou ao PT na década de 1980. Pela sigla, foi prefeito de Araraquara de 2001 a 2008 e de 2017 em diante. Como está em seu segundo mandato consecutivo, Edinho não poderá concorrer à reeleição, mas seu destaque nas redes da primeira-dama podem significar força para disputar outras posições no mundo político.

Como Paulo Pimenta pode ficar à frente da autoridade federal no Estado afetado pelas enchentes até o final do ano, a sucessão pelo comando do braço de comunicação da Presidência está em aberto. Edinho é favorito para assumir a pasta, que ele já chefiou entre 2015 e 2016. Ao mesmo tempo, o prefeito de Araraquara também tem o nome encampado para suceder a deputada federal Gleisi Hoffmann na presidência do PT, contando inclusive com o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A sigla elegerá um novo gestor em 2025, mas, segundo o estatuto petista, se Edinho estiver em um cargo no Executivo federal, ele não poderá ocupar o comando do partido.

Além de comandar o Executivo de Araraquara por quatro mandatos, Edinho presidiu o PT paulista, foi deputado estadual de 2011 a 2015 e, de março de 2015 a maio de 2016, chefiou a Secretaria de Comunicação Social da então presidente Dilma Rousseff (PT).

Além de já ter experiência na área, Edinho também é cotado para suceder Pimenta na Secom por manter um bom relacionamento com o presidente Lula. Em 8 de janeiro do ano passado, enquanto vândalos depredavam as sedes dos Três Poderes em Brasília (DF), o presidente estava em uma visita em Araraquara, afetada, à época, por fortes chuvas. Com o ataque na capital federal, a prefeitura da cidade do interior paulista foi transformada, de improviso, em gabinete de crise. Foi do gabinete de Edinho que Lula despachou durante os ataques.

Foi o próprio Edinho quem atribui a Janja o conselho que convenceu o presidente a não assinar um decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) para conter os vândalos em Brasília. Segundo o prefeito de Araraquara, a primeira-dama disse a Lula que assinar a GLO seria “entregar aos militares”. Diante do aviso, a alternativa escolhida foi a assinatura de um decreto de intervenção federal, sob o comando de Ricardo Cappelli, então secretário-executivo do Ministério da Justiça.

Prefeito busca protagonismo em ajuda ao RS

Edinho está coordenando ações de ajuda humanitária ao Rio Grande do Sul que podem ajudar a cacifá-lo como sucessor na Secom ou dar força para a disputa na eleição interna do PT,

Além de projetos no âmbito municipal, como o transporte de donativos e mantimentos, ele viajou para o Estado em crise com Janja, onde estiveram ao longo da semana passada. A primeira-dama e o prefeito publicaram registros dessa viagem em suas redes sociais. Edinho também tem auxiliado Janja com a comunicação nas redes e ela, por sua vez, dá destaque ao prefeito em seus perfis.

Edinho participou da entrega de 200 purificadores de água às terras gaúchas, uma iniciativa do governo federal que contou com o apoio de doações da sociedade civil.

Ao comentar sobre o caso nas redes sociais, Edinho afirmou que se tratava de retribuir, em nome de Araraquara, a solidariedade recebida quando a cidade paulista foi afetada por fortes chuvas, na virada de 2022 para 2023. Janja, por sua vez, destacou os esforços de Edinho na iniciativa.

Receba notícias do ABC diariamente em seu telefone.
Envie a mensagem “receber” via WhatsApp para o número 11 99927-5496.

Compartilhar nas redes