ABC - terça-feira , 23 de julho de 2024

Cabos submarinos de internet são danificados no Mar Vermelho; houthis negam responsabilidade

Três cabos submarinos do Mar Vermelho que fornecem internet e telecomunicações em todo o mundo foram cortados, na rota marítima que continua sendo alvo dos rebeldes houthis do Iêmen, disseram autoridades nesta segunda-feira, 4.

O que cortou as linhas permanece não esclarecido. Autoridades preocuparam-se com os cabos sendo alvos na campanha dos houthis, a qual os rebeldes descrevem como um esforço para pressionar Israel a encerrar a guerra contra o grupo terrorista Hamas na Faixa de Gaza. No entanto, os houthis negaram atacar as linhas.

Newsletter RD

Embora a navegação global já tenha sido prejudicada no Mar Vermelho, uma rota crucial para o transporte de carga e energia da Ásia e do Oriente Médio para a Europa, a sabotagem das linhas de telecomunicações poderia agravar ainda mais a crise que dura meses.

Empresas redirecionaram tráfego

As linhas cortadas incluem Ásia-África-Europa 1, Europe India Gateway, Seacom e TGN-Gulf, disse a HGC Global Communications, com sede em Hong Kong. A empresa disse que os cortes afetam 25% do tráfego que flui pelo Mar Vermelho e descreveu a rota como crucial para a transferência de dados da Ásia para a Europa. A companhia ainda anunciou que começou a redirecionar o tráfego.

A HGC Global Communications descreveu a linha Seacom-TGN-Gulf como sendo dois cabos separados, quando na verdade é um único cabo na área do corte, conforme explicou Tim Stronge, especialista em cabos submarinos da TeleGeography, uma empresa de pesquisa de mercado em telecomunicações com sede em Washington.

Respondendo a perguntas da Associated Press, a Seacom disse que “os testes iniciais indicam que o segmento afetado está dentro das jurisdições marítimas do Iêmen no sul do Mar Vermelho”. A empresa informou que está redirecionando o tráfego que conseguiu modificar, embora alguns serviços estejam fora do ar.

A Tata Communications, parte do conglomerado indiano e responsável pela linha Seacom-TGN-Gulf, disse à AP que “iniciou ações reparadoras imediatas e apropriadas” depois que a linha foi cortada. “Investimos em vários consórcios de cabos para aumentar a nossa diversidade e, portanto, em situações de corte ou empecilho no cabo, somos capazes de redirecionar automaticamente os nossos serviços”, disse Tata.

Outras empresas por trás dessas linhas, que fornecem dados para África, Ásia e Médio Oriente, não responderam imediatamente às perguntas da Associated Press na segunda-feira.

Houthis culpam EUA e Reino Unido

No início de fevereiro, o governo internacionalmente reconhecido do Iêmen no exílio alegou que os houthis planeavam atacar os cabos. As linhas pareciam ter sido cortadas em 24 de fevereiro, com a organização NetBlocks observando interrupções no acesso à internet na nação do leste africano de Djibouti dois dias depois. A Seacom atende Djibouti. Da mesma forma, houve interrupções no Bahrein, um reino insular no Golfo Pérsico, também atendido pelas linhas.

Mas, por sua vez, os houthis negaram ter visado os cabos. Os rebeldes atribuíram as perturbações às operações militares britânicas e norte-americanas, mas não apresentaram provas que apoiassem a acusação e fizeram acusações falsas no passado.

“As hostilidades no Iêmen por parte das unidades militares navais britânicas e americanas causaram uma interrupção nos cabos submarinos no Mar Vermelho, o que colocou em risco a segurança das comunicações internacionais e o fluxo normal de informações”, disse o Ministério dos Transportes, controlado pelos houthis, da capital Sanaa,

Como os cabos foram cortados?

Ainda não está claro como os rebeldes poderiam atacar os cabos submarinos. Os houthis não são conhecidos por terem capacidade de mergulho ou salvamento para atingir as linhas, que ficam centenas de metros abaixo da superfície do curso de água.

No entanto, os cabos submarinos podem ser cortados pelas âncoras, incluindo aquelas lançadas de alguns dos navios que foram desativados em ataques. Um navio à deriva com a âncora raspando no mar pode ser o culpado.

“Nossa equipe acha plausível que possa ter sido afetada pelo arrasto de âncoras, devido à quantidade de tráfego marítimo com que a região lida e ao baixo nível do fundo do mar em muitas partes do Mar Vermelho”, disse Seacom. “Isso só poderá ser confirmado quando o navio de reparos estiver no local.”

Existem agora 14 cabos que atravessam o Mar Vermelho, com outros seis planejados, disse Stronge, especialista em cabos submarinos.

“Estimamos que mais de 90% das comunicações entre a Europa e a Ásia atravessam cabos submarinos no Mar Vermelho”, disse ele. “Felizmente, as operadoras de telecomunicações incorporaram um alto grau de redundância no sistema – há muitos cabos que atravessam o Mar Vermelho.” Fonte: Associated Press.

Receba notícias do ABC diariamente em seu telefone.
Envie a mensagem “receber” via WhatsApp para o número 11 99927-5496.

Compartilhar nas redes