Membro do Fed defende paciência na política monetária ante quadro na atividade e emprego

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Richmond, Tom Barkin, afirmou nesta quarta-feira, 7, que a economia dos Estados Unidos continua forte, com um mercado de trabalho “ainda muito saudável”, o que é um argumento pela paciência antes de haver mudanças na política monetária. Ele falou em evento do Clube Econômico de Washington, D. C., e comentou que é preciso ter certeza ainda sobre se haverá mais pressão inflacionária adiante, antes de se começar a cortar os juros.

Com direito a voto nas decisões de política monetária neste ano, Barkin disse que a inflação está em queda, em quadro de demanda “ainda saudável”.

Newsletter RD

Ele ponderou, porém, que o movimento na inflação não é tão de base disseminada quanto gostaria, com crescimento de salários ainda em nível elevado e a inflação de serviços também forte, o que ocorre também no setor imobiliário.

Por outro lado, indicadores recentes, como o Produto Interno Bruto (PIB), “têm sido notáveis”, o que permite que o Fed tenha paciência antes de começar a cortar juros. Em outro momento da conversa, Barkin mencionou que a inflação está “bem perto da meta de 2% agora”.

Barkin comentou que poderia haver problemas no mercado imobiliário comercial. A questão, segundo ele, é se a exposição influiria nos bancos e se estes sofreriam, com potencial contágio no sistema financeiro. “Acredito que os bancos estão bem atentos aos riscos no setor imobiliário comercial”, afirmou.

O dirigente ainda foi questionado sobre o fato de que os gastos dos consumidores têm se sustentado em nível acima do previsto, mesmo que pesquisas mostrem sentimento negativo. Barkin atribui o mau humor à inflação, mesmo que os salários também estejam avançando no período.

Sobre cadeias de produção global, Barkin afirmou que as empresas estão mais conscientes dos riscos de concentrar muito a produção em apenas um país, “como a China”.

Ele disse ver “um pouco de onshoring”, com empresas buscando transferir negócios para os EUA, mas um movimento bem maior de busca por outras nações, como México ou Vietnã.

Compartilhar nas redes