Kawan Pereira avança à semifinal nos saltos ornamentais na Olimpíada

Estreante em Olimpíadas, o brasileiro Kawan Pereira conquistou nesta sexta-feira uma vaga na semifinal da plataforma de 10 metros, nos saltos ornamentais em Tóquio. Ele avançou com o 17º e penúltimo lugar. Já Isaac Souza terminou no 20º posto e não conseguiu entrar na disputa pelo lugar na final. Somente os 18 primeiros colocados, de 29 competidores, avançam à semifinal.

Na disputa classificatória, cada atleta teve direito a seis saltos. Kawan fez o seu melhor logo de primeira e obteve 72,00. Fez duas vezes 54,45 e depois anotou 57,35, 64,60 e 68,80 em suas últimas três tentativas, totalizando 371,65. O brasileiro chegou a figurar entre os oito primeiros colocados, mas foi caindo à medida que os rivais iam obtendo suas melhores performances na sexta rodada. Mesmo assim, garantiu o 17º posto.

Isaac, por sua vez, começou com 67,20, que foi seguido por 44,55 e 48,60. Em seguida, registrou 49,30 e, na quinta tentativa, anotou seu melhor salto: 68,45. Terminou com um 61,20, somando 339,30 no total. Como ficou duas posições abaixo da zona de classificação, o brasileiro se tornou o segundo reserva, com chances remotas de entrar na semi, caso haja desistências.

O melhor saltador da fase classificatória foi o chinês Jian Yang, com 546,90, seguido do compatriota Yuan Cao, com 529,30 – a China é a maior potência dos saltos ornamentais. O britânico Tom Daley, famoso em Tóquio pelas peças de tricô que produz entre um salto e outro, foi o quarto geral, com 453,70. Nesta Olimpíada, ele conquistou seu primeiro ouro olímpico, na plataforma de 10m sincronizada. Antes levou o bronze em Londres-2012 (10m) e no Rio-2016 (10m sincronizado). O atleta de 27 anos é ainda bicampeão mundial na prova individual.

A semifinal está marcada para as 22 horas desta sexta, pelo horário brasileiro. A disputa de medalha será às 3 horas da madrugada de sábado.

Tanto Kawan quanto Isaac disputam uma Olimpíada pela primeira vez. O primeiro é mais novo. Tem 19 anos e é de Parnaíba, no Piauí. Mas foi ainda criança para Brasília, onde mora até hoje. Lá conheceu a capoeira, cujos movimentos o ajudaram a aprender mortais e cambalhotas que usa em seus saltos.

Kawan chegou a Tóquio com bons resultados internacionais no currículo. Foi medalhista de bronze nos Jogos Pan-Americanos de Lima-2019 na plataforma sincronizada, com Isaac, e campeão sul-americano neste ano, na plataforma de 10m. No Pré-Olímpico, chegou à final, mostrando potencial para a Olimpíada.

O carioca Isaac tem 22 anos e mora perto da favela da Mangueira. Filho de dois pastores, ele começou na ginástica, mas acabou se encontrando nos saltos. Naturalmente, levou da breve experiência na ginástica diversos movimentos para suas performances na plataforma.

Sua evolução foi tão rápida nos últimos anos que ele entrou no programa de solidariedade olímpica do Comitê Olímpico Internacional (COI), que dá bolsas para atletas com potencial. Nos últimos anos, ele não decepcionou. Além do bronze no Pan de Lima-2019 com Kawan na plataforma sincronizada, foi prata nos Jogos Sul-Americanos de Cochabamba-2018 e campeão sul-americano neste ano.

Comentários