Prefeituras adotam critérios diferentes para retorno presencial de servidores

Prefeitura de Diadema estuda manter o home office para alguns de seus servidores (Foto: Divulgação)

O Governo do Estado anunciou nesta semana o retorno ao trabalho presencial dos seus servidores após mais de um ano de home office devido a pandemia do Covid-19. Tal situação também ocorrerá de maneira gradual no ABC. Os municípios levarão em conta a vacinação e os setores para definir como será a retomada. Porém, cada um definirá isso em datas diferentes.

Em Ribeirão Pires, apenas os professores seguem trabalhando em suas respectivas residências. São cerca de 900 profissionais segundo a Prefeitura. Existe uma previsão de retomada de atividades presenciais na Educação em 28 de julho, porém, o esquema em si só será divulgado nos próximos dias.

No caso da Prefeitura de Mauá a data do retorno presencial dos 238 servidores que ainda trabalham em casa é o dia 19 de julho. O esquema para este retorno não foi divulgado. Em São Caetano, segundo o setor de Recursos Humanos da Secretaria de Planejamento, “a maioria dos servidores já está em trabalho presencial, sobretudo após a vacinação de pessoas com comorbidades”. Apesar de não ter o número exato de pessoas ainda em home office, o comando do Palácio da Cerâmica afirma que a retomada gradual é definida de maneira por cada setor levando em conta o decreto municipal 11.563/2020.

Entre os servidores são-bernardenses com 60 anos ou mais e com comorbidades, a imunização completa somado aos 14 dias para formação de anticorpos serão os dados necessários para definir que vai voltar ao trabalho presencial ou não. 103 funcionários já retornaram. 1.72 seguem em isolamento, sendo 244 por idade e 828 por comorbidade.

Em Santo André, atualmente o sistema adotado é o hibrido, o que ocorre “de maneira satisfatória”, segundo a Prefeitura. Apenas 50% de cada setor trabalha presencialmente. “Com o avanço da vacinação, apesar da possibilidade de retorno ao presencial, há setores já organizados para atuar somente em home office, situação que será regulamentada nos próximos dias”, explicou.

Diadema tem 3,5 mil servidores no teletrabalho, de um total de 6.576 (cerca de 54%). Atualmente existe um revezamento entre os funcionários que trabalham presencialmente uma vez por semana. No caso da Saúde e Defesa (Segurança) quase todos comparecem de maneira presencial ao seu serviço. Na Educação o cenário é inverso.

“Já estamos conversando sobre a volta com a Saúde, que deve atingir pelo menos aqueles servidores sem comorbidade e que já tenham tomado as duas doses de vacinação. Um decreto está sendo discutido e elaborado nesse sentido, para regulamentar uma volta gradual ao trabalho presencial. É importante mencionar que, em certas áreas, foi percebido que o teletrabalho funciona muito bem e até gera economia ao município. E, portanto, pode permanecer. Isso será avaliado juridicamente e detalhado no decreto”, informou a Prefeitura.

Também procurada para tratar do assunto, a Prefeitura de Rio Grande da Serra não respondeu até o fechamento desta matéria. Caso responda, este texto será atualizado.

Comentários