Conselho da Amazônia: Bolsonaro critica forma de demarcação de terras indígenas

Em evento para anúncio da criação do Conselho da Amazônia, o presidente Jair Bolsonaro criticou a forma como a demarcação de terras indígenas é feita no Brasil, mas, em seguida, afirmou que “ninguém é contra dar a devida proteção e terra aos nossos irmãos índios”.

Bolsonaro reforçou que o conselho foi criado como forma de dar uma resposta à reação negativa no exterior sobre políticas do governo para proteção da floresta amazônica, que registrou alta nas queimadas. “Espero que possamos dar a devida resposta àqueles que nos criticam”, declarou. “Temos de ter capacidade de implementar políticas que mostrem que a Amazônia é nossa”, disse.

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, pediu a palavra e reforçou o discurso da soberania nacional. Ele disse que os brasileiros tratam a Amazônia como “país amigo”, mas que deve ser encarada como território nacional. “A Amazônia é propriedade dos brasileiros, precisamos pensar grande”, disse Heleno.

Em seguida, o ministro do GSI entoou um grito de guerra. Enquanto ele dizia “tudo pela Amazônia”, os convidados diziam “selva!”.

Receba diariamente o RD em seu WhatsApp
Envie um WhatsApp para 11 94984-9581 para receber notícias do ABC diariamente em seu celular.

Comentários