Na estreia de Paquetá, Milan sofre, mas bate Sampdoria e avança na Copa da Itália

A estreia de Lucas Paquetá no Milan neste sábado teve drama, sofrimento, apreensão e final feliz para seu novo time, que ficou perto de ser eliminado, mas derrotou a Sampdoria por 2 a 0 na prorrogação, após o empate sem gols no tempo normal, em Gênova, e avançou às quartas de final da Copa da Itália.

Elogiado pelo técnico Gattuso, que vê o brasileiro forte fisicamente e pronto para assumir o protagonismo no Milan, Paquetá atuou durante 84 minutos, até ser substituído por Borini, quando o empate sem gols persistia no placar.

O melhor lance do jovem ex-Flamengo em campo foi um chute de esquerda de fora da área que passou rente à trave esquerda do goleiro Rafael Cabral logo antes de deixar o gramado. Ele também trocou passes e, apesar da falta de entrosamento com os novos companheiros, pareceu à vontade em campo e não se escondeu.

“Estou muito feliz por essa estreia vitoriosa, com a vaga para a próxima fase da Copa da Itália. Acho que para o meu primeiro jogo, tive uma boa atuação, apesar da ansiedade. Agradeço aos meus companheiros e a comissão técnica pelo apoio e pela confiança. Tenho a certeza que a tendência é sempre a evolução e vamos dar sequência ao trabalho para que coisas positivas continuem acontecendo, sempre entrando em campo com alegria e vontade de ajudar. Agora é descansar porque temos um grande desafio na próxima partida”, afirmou.

O Milan chegou perto de marcar com o turco Çalhanoglu, em arremate da entrada da área e em chute cruzado que passou perto do gol. Higuain também esteve próximo de balançar as redes. O argentino finalizou perto da trave esquerda de Rafael Cabral e depois até conseguiu marcar, mas o gol foi invalidado em razão da posição em impedimento do centroavante.

A Sampdoria não se limitou a ficar na defesa. Pelo contrário. Não fosse o goleiro veterano Pepe Reina, o Milan teria sido eliminado. Ele evitou ao menos três gols da equipe de Gênova. Uma em chute de Ekdar de longe, outra em saída arrojada do gol e a terceira em desvio com a ponta dos dedos em cabeceio já na prorrogação.

Após a pressão da qual saiu ileso graças ao talento de Reina, o Milan acordou e construiu em sete minutos o triunfo na prorrogação. Cutrone, que entrara no começo do primeiro tempo extra, brilhou e garantiu a vitória e a classificação com dois belos gols.

O primeiro saiu aos sete minutos, em batida de chapa, de primeira, após cruzamento de Conti. O segundo, aos 13, foi tão ou mais bonito que o primeiro, de modo que Cutrone, de novo de primeira, conseguiu encobrir Rafael em toque esperto para matar o jogo e garantir o Milan nas quartas de final da Copa da Itália.

Comentários