Tobias pede posicionamento claro de Auricchio sobre Doria

Menos de 24 horas após a vitória de João Doria para o Governo do Estado, o diretório paulista do PSDB volta sua atenção para a definição de quem vai ficar na legenda e quem irá deixa-la. Em entrevista ao RDtv, nesta segunda-feira (29), o presidente do partido em São Paulo, Pedro Tobias, pediu um posicionamento mais firme do prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), sobre o governador eleito e afirmou que não têm provas para expulsá-lo.

Ao ser questionado sobre o posicionamento da legenda em relação aos tucanos que apoiaram a candidatura de Márcio França (PSB), Tobias relembrou a “tensa” conversa que teve com Auricchio antes do período eleitoral por causa da candidatura de Thiago Auricchio pelo PR, que estava na base de apoio do socialista. Apesar da falta de apoio do chefe do Palácio da Cerâmica à França, o tucano ainda pede um posicionamento mais forte do sul-sancaetanense.

Tobias relembrou a “tensa” conversa que teve com Auricchio antes do período eleitoral

“Se está descontente é melhor deixar o partido e ir para outro, fazer novos amigos. Ele (Auricchio) pode até ter votado no Márcio França, mas não temos provas para tirá-lo do PSDB. Agora que a eleição passou, esperamos que ele tenha um posicionamento. A população não quer mais essa velha política, ela quer um partido firme no que pensa”, explicou.

José Auricchio Júnior participou de alguns eventos da campanha de João Doria na região, porém no primeiro turno focou na busca de votos em Thiago e do deputado federal Alex Manente (PPS), dois aliados de França. Boa parte da base aliada do tucano fez ferrenha campanha para o candidato derrotado do PSB, fato que chamou a atenção do tucanato.

Das sete cidades do ABC, Doria liderou a votação em duas cidades no segundo turno, Santo André e São Caetano, sendo que nesta última obteve o melhor resultado percentual com 63,05% dos votos contra 36,95% de Márcio França.

Sobre novas expulsões na legenda, Pedro Tobias revelou que existem cerca de 15 processos envolvendo prefeitos e outros tantos de vereadores, deputados estaduais e militantes. O próximo nome da lista de expulsos é o do prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa. Caso não apresente sua defesa, a saída do PSDB acontecerá nesta terça-feira (30).

PSL

Um dos principais motes da campanha de segundo turno de João Doria foi o apoio ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Apesar da forte campanha feita ao presidenciável, Tobias considera que a legenda ainda precisa esperar um pouco para pensar se vai ou não fazer parte de sua base aliada no Congresso Nacional.

“Temos que deixar a poeira baixar, temos que esperar, mas temos que pensar que deve ter uma contrapartida, pois se o partido decidir em apoiar o Bolsonaro temos que esperar um apoio contrário. Será que o PSL vai apoiar o Doria em São Paulo? Temos que esperar”, explicou.

Comentários