Desistência de Marcos não altera “candidatos de governo”, diz Regina Gonçalves

“As candidaturas do governo são a do Márcio para estadual e a minha para federal, e isso não se altera com a decisão do vereador Marcos de ter ou não retirado a sua candidatura”, foi assim que a pré-candidata a deputada federal Regina Gonçalves (PV) resumiu o momento vivido dentro da base governista em Diadema. Em entrevista ao RDtv, nesta segunda-feira (11), a ex-secretária de Habitação falou sobre os motivos que a levaram a tentar uma cadeira na Câmara Federal.

Com a desistência do presidente da Câmara de Diadema, Marcos Michels (PSB), em tentar uma cadeira na Assembleia paulista, Regina considera que não haverá qualquer tipo de alteração em relação as candidaturas e apoios dos chamados “candidatos do governo”, no qual também faz parte o vice-prefeito e pré-candidato a deputado estadual, Márcio da Farmácia (Podemos).

Regina falou sobre suas pretensões políticas para as eleições (Foto: Carlos Carvalho)

“O Marcos tem o seu grupo de apoio, esse grupo de apoio é ligado ao Alex Manente, portanto o grupo dele vai trabalhar o Alex Manente (PPS) e não pela minha candidatura, talvez porque esse grupo não coloque realmente os interesses da cidade que ela tanto precisa. Mas eu vou continuar pautando Diadema que é a cidade em que vivo, em que eu moro e onde eu tenho exercido toda a minha vida pública”, disse Regina que se surpreendeu com a notícia da desistência do primo do prefeito Lauro Michels (PV).

Ex-deputada estadual, Regina busca ocupar uma cadeira na Câmara Federal pela primeira vez e justifica a sua tentativa com o fato de Diadema não ter um representante em Brasília, desde 2012, quando José de Filippi Júnior (PT) deixou o cargo para ser secretário de Saúde da Capital, na gestão de Fernando Haddad (PT).

“É uma analise mais profunda da crise que nós estamos passando. Estamos passando por uma crise moral, institucional, econômica e que está afetando os serviços públicos e os municípios. No fim da fila estão os municípios que estão em uma situação realmente precária dado a crise e a essa queda de receita. Ao mesmo tempo Diadema perdeu muito em não ter representantes seja na Assembleia Legislativa, seja na Câmara Federal. Dado a essa carência e essa necessidade da cidade ter os seus representantes, na análise interna do próprio partido, do PV que é o meu primeiro e único partido”, afirmou.

Além das pautas envolvendo diretamente os interesses de Diadema, Regina Gonçalves considera que algumas pautas devem ser debatidas pelos próximos congressistas como a reforma tributária, a reforma política e a repactuação do SUS (Sistema Único de Saúde).

 

Comentários