Vera Cruz vira polo de televisão e recebe produção internacional

Morando salientou que local ainda pode receber feiras (Foto: Pedro Diogo)

Cinco meses após a Prefeitura de São Bernardo retomar o controle do Pavilhão Vera Cruz, foi anunciado nesta terça-feira (12), que o local que já foi um dos principais polos de cinema do país vai ser transformado em um polo de televisão. Como o primeiro passo foi revelado a locação do espaço para a gravação das versões de quatro países do game show The Wall, produzido pela Endemol Shine Brasil.

Por 90 dias a produtora holandesa, responsável por outros sucessos televisivos como o reality show Big Brother, ocupará o local para as gravações do game show para Argentina, Chile, Colômbia e Uruguai. O município receberá R$ 313 mil pela locação de um dos pavilhões do Vera Cruz. O dinheiro vai ser destinado a custos com cursos e reforma de um cinema público. 150 profissionais estão envolvidos nesta produção, sendo que boa parte oriunda do ABC.

“Estamos muito felizes em sermos a empresa responsável pela reativação para entretenimento dos estúdios Vera Cruz, local que faz parte da história da indústria audiovisual brasileira, ainda mais trazendo um formato tão grandioso como é o The Wall. O programa é um fenômeno de audiência nos Estados Unidos, Espanha, Alemanha, França e Canadá”, explicou a diretora geral da Endemol Shine Brasil, Juliana Algañaraz.

O pavilhão são-bernardense foi escolhido devido a altura de seu pé-direito, pois o cenário do game show tem 13 metros de altura. “Com o acordo com a Prefeitura, para a utilização do pavilhão, conseguimos colocar o Brasil no mapa das produções internacionais do formado”, disse João Cardia, diretor de produção da Endemol.

Apesar da prioridade de produções televisivas, o Vera Cruz também será o cenário de gravações de filmes. Segundo informações do Paço, o local também receberá as filmagens do live-action Turma da Mônica Jovem. Não foi informado quando acontecerá essas gravações. A direção do filme será de Daniel Rezende, também responsável pelo filme Bingo – O Rei das Manhãs. a expectativa é que o filme fique pronto para as férias de julho de 2018.

Mudanças

Orlando Morando também anunciou uma mudança em relação ao local. O pavilhão deixa de ser de responsabilidade da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e passa para a pasta de Comunicação. “Queremos transformar o local em um polo de televisão. Vamos entrar na concorrência com Paulínia (SP) e o Rio de Janeiro, inclusive estou indo para lá para ver o Polo Rio. Com uma produção internacional como essas, com certeza teremos outras produtoras querendo realizar filmagens nesse local”, disse o prefeito.

Apesar da prioridade do local ser para produções de TV, o local poderá receber outros eventos como feiras, mesmo assim o secretário de Desenvolvimento Econômico, Hiroyuki Minami, afirmou que está indo atrás de outros espaços para receber outros eventos que estavam alocados no Vera Cruz.

Críticas

Questionado sobre uma possível revitalização do local, algo que estava previsto na PPP (Parceria Público-Privada) realizada pela gestão de Luiz Marinho (PT), Morando fez duras críticas. “Essa PPP era uma mentira. Não vamos fazer uma revitalização, pois não precisa, não tem necessidade. O local está ótimo, tanto que recebeu um programa internacional. Isso prova que aquela PPP era uma mentira”, explicou.

Projetos

A partir da próxima segunda-feira (18), o Rotativo passa a ser o responsável pelo estacionamento do Vera Cruz, local utilizado principalmente pelos estudantes da Faculdade de Direito de São Bernardo. Segundo o chefe do Executivo, o local apresenta preços abaixo do que os praticados pela Telem, empresa responsável pela PPP que vigorava e que foi extinta em abril.

Sobre o CAV (Centro Áudio Visual), a Prefeitura não passará as aulas para o pavilhão conforme acertado na PPP, assim mantendo os cursos no bairro Planalto. “Não tinha motivo para mudar, então vamos manter o curso no local que está. A estrutura é boa”, disse o prefeito. No segundo semestre de 2017, o custo do local será de R$ 450 mil.

Em relação ao acervo do local recheado de filmes e trajes usados em produções das décadas de 1950 e 1960, a Prefeitura ainda tenta um acordo com o Ministério da Cultura para que os objetos sejam transferidos para a Cinemateca Brasileira, na Capital. Ainda não existe algo oficial sobre o assunto.

Comentários