Empresários apostam em mão de obra especializada em São Bernardo

Maurício Henrique se destacou e conseguiu emprego na assistência técnica (Foto: Pedro Diogo)

A dificuldade em conseguir encontrar mão de obra especializada para conserto de tablets e smartphones fez com que os irmãos Kevin e Kleber Mazzei criassem uma escola que oferece curso profissionalizante para formar novos profissionais do setor, no bairro Rudge Ramos, em São Bernardo. No mesmo local eles mantém há seis anos uma assistência técnica, a KM Multi, que trabalha com a manutenção dos equipamentos.

O Brasil aponta aumento nas vendas dos bens de consumo, só de celulares, hoje já são quase 200 milhões, com expectativa que o número atinja a marca de 236 milhões nos próximos dois anos, crescimento de 19%, de acordo com estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV). E a justificativa para conseguir profissionais capacitados pode estar ligada justamente a essa questão.

Observando essa movimentação nasceu a ideia de criar um espaço para promoção do curso, que é prático e intensivo. Os empresários investiram inicialmente cerca R$ 100 mil para montagem da estrutura, equipamentos e contratação de profissionais, no total são três professores que ministram aulas nos períodos matutino e noturno. O curso tem duração de cinco dias ao custo de R$ 650 e já inclui apostila, certificação e suporte após o término.

“A gente identificou que no mercado tinham muitas pessoas que mexiam com celular, mas não tinham conhecimento técnico”, disse Kleber Mazzei, ao ressaltar que o conteúdo é muito focado em cima de situações práticas.

A escola, que funciona há três anos e meio já formou mais de mil alunos, sendo que 50% é da região. O público, no geral, é bastante diversificado e registra também a participação de profissionais de outras áreas, entre eles, advogados, engenheiros e médicos, que acabam utilizando os novos conhecimentos como complemento de renda com a realização de consertos.

Kleber Mazzei afirma que espaço para aulas conta com boa infraestrutura (Foto: Pedro Diogo)

“Um bom aparelho Android custa por volta de R$ 900 e o conserto ainda é muito vantajoso”, diz Mazzei, que revela arrumar cerca de 300 aparelhos entre tablets e celulares na sua assistência técnica. O empresário também destaca que vários alunos já trabalham na área, sendo que alguns deles fizeram investimento em assistências próprias.

Oportunidade

Maurício Henrique de Carvalho, 19 anos, tem ensino médio e fez o curso há um ano e meio. Morador de Santo André, tomou gosto pelo trabalho a partir do desempenho apresentado durante o curso e acabou recebendo convite para trabalhar na loja dos dois irmãos. Hoje é o responsável pela área de smartphone e tablets na assistência. “Recebi o convite um mês depois que terminei o curso. Peguei rápido o conteúdo e gostei muito da parte prática”, afirma ao revelar que mais para frente tem interesse em montar um negócio próprio.

Comentários