Auricchio aumenta cargos preenchidos e supera Pinheiro

Auricchio superou Paulo Pinheiro em cinco dos sete meses (Foto: Raíssa Ribeiro)

Mesmo com o discurso de austeridade, o prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), aumentou o número de servidores e tem uma folha salarial líquida – com os descontos – superior aos registros do antecessor Paulo Pinheiro (PMDB). Segundo dados do Portal da Transparência, o tucano preencheu no último mês 5.785 cargos e despendeu, de janeiro a julho, o valor de R$ 106.951.561,81 com vencimentos. O montante supera os gastos do peemedebista no mesmo período de 2016 e 2015, que chegaram a R$ 106.108.493,94 e R$ 98.793.035,24, respectivamente.

Dos sete primeiros meses de 2017, o prefeito superou o antecessor em gastos líquidos em cinco deles: janeiro, março, maio, junho e julho. Em comparação a julho de 2016, Pinheiro contabilizava 5.585 cargos. Portanto, Auricchio preencheu 200 postos a mais. No mesmo mês de 2015, o peemedebista registrou 5.652 servidores. No entanto, o Portal da Transparência não especifica a proporção de postos de livre provimento e via concurso público nesses anos e não tem registro algum referente a gastos com pessoal de exercícios anteriores a partir de 2014.

O Portal da Transparência de São Caetano também apresenta dados contraditórios. Na seção “Quadro Geral de Empregos e Cargos”, consta que o governo tem 5.516 postos de trabalho, sendo 199 comissionados, 5.315 estatutários e dois eletivos (prefeito e vice-prefeito). No entanto, as folhas de pagamento de julho registram que os valores salariais foram destinados a 5.786 ocupações – com o cargo de chefe do Executivo. Já o vice-prefeito Beto Vidoski (PSDB) consta na planilha como secretário municipal de Esporte e Turismo e não como número dois do Paço.

A página também não informa os valores brutos – sem descontos – aplicados à folha de pagamento nos dois últimos anos do mandato de Pinheiro. Inclusive, os salários bases somente foram registrados no atual exercício, após o RD evidenciar a falta dessa informação no site da Prefeitura de São Caetano quanto aos contracheques do prefeito – R$ 20.000,00 de subsídio base e R$ 14.928,24 com descontos. Dessa forma, está divulgada na Transparência a soma das remunerações brutas da gestão Auricchio de janeiro a julho, que atinge montante de R$ 160.621.761,41.

Em vídeo publicado no dia 07 de junho na sua página pessoal no Facebook, Auricchio disse, porém, que realizou um “ajuste econômico” no quadro de funcionários. “É doloroso, não há satisfação em mandar alguém embora, mas a Prefeitura foi obrigada a fazer um grande corte. Foram perto de 2 mil pessoas que se desligaram da Prefeitura, infelizmente estava fora da perspectiva orçamentária da cidade”, afirmou na ocasião.

Por esclarecimentos, a reportagem questionou a Prefeitura de São Caetano, na segunda-feira (07), por qual motivo a folha líquida de Auricchio é superior às planilhas de Pinheiro, quais os números de cargos em comissão de julho de 2017 e de 2016, e se há planos do governo em reduzir tais custos. No entanto, não houve retorno do Palácio da Cerâmica até o fechamento desta matéria, que ocorreu quatro dias depois.

Uma característica do Portal da Transparência de São Caetano é separar o 13º salário dos servidores aos vencimentos dos 12 meses, a exemplo da metodologia aplicada nos exercícios 2015 e 2016 da gestão Pinheiro. Dessa forma, caso o formato seja mantido pelo atual governo, a remuneração extra não poderia ser usada, em tese, para justificar a diferença entre as administrações tucana e peemedebista.

Entretanto, em 06 de janeiro de 2017, Auricchio publicou decreto 11.089 no Diário Oficial do Município, estabelecendo contingenciamento de 21% do Orçamento previsto para 2017, calculado em R$ 1,3 bilhão. Entre as razões justificadas na medida, estão dívidas deixadas pela gestão anterior, despesas inadiáveis decorrentes de contratos com terceirizadas e a folha de pagamento dos servidores. (BC)

Comentários