Receba nossa newsletter [fechar]

Preencha os campos abaixo para receber diariamente nossas notícias exclusivas.

Nome:

E-mail:



Serra e cúpula tucana prometem empenho por Manente contra Marinho


terça-feira, 24 de abril de 2012 4:15 [2 Comentário(s)]
Audio
Enviar para um amigo Imprimir


 

Rafael Nunes
Evento lotou a sede da Associação dos Funcionários Públicos de São Bernardo (Foto: Marciel Peres)

A dobrada entre PPS e PSDB visando a raia majoritária nas eleições municipais de São Bernardo deu nesta segunda-feira (23) seu pontapé inicial. O encontro de correligionários de ambas as siglas foi marcado pela ampla adesão da alta cúpula tucana em apoio a Alex Manente (PPS) e Admir Ferro (PSDB), principal chapa de oposição ao governo do atual prefeito do município, Luiz Marinho.

Prefeitos – e aliados – da região, como José Auricchio Jr (São Caetano) e Clóvis Volpi (Ribeirão Pires), deputados estaduais e federais, além de figuras de peso no cenário nacional do PSDB, como Sérgio Guerra (presidente nacional do PSDB), Sidney Beraldo (secretário-chefe da Casa Civil do Governo do Estado), Samuel Moreira (líder da bancada tucana na Assembleia Legislativa), além do ex-governador e pré-candidato a prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB), marcaram presença no evento, realizado na Associação dos Funcionários Públicos de São Bernardo.

Além do ato em adesão à pré-candidatura, todos foram unânimes em prometer empenho para eleger Manente e quebrar a especulada reeleição de Marinho. “Essa parceria só se deu devido ao desprendimento do Admir (Ferro) e de outros que eram pré-candidatos. Não queremos só um candidato, queremos um candidato e alguém para administrar a cidade”, citou Beraldo, em referência à disputa interna que existia no diretório tucano pela possibilidade de candidatura própria e, posteriormente, pelo escolhido para dobrar com o PPS. Líder máximo do PSDB no país, Sérgio Guerra elogiou a parceria entre tucanos e populares-socialistas.

Em ataques ao PT, Guerra citou que a sigla peessedebista não é da elite e citou a transparência como norte da parceria instalada no cenário eleitoral são-bernardense. “Em certas áreas do PT, a palavra não vale nada. Em São Bernardo, nosso compromisso é de um governo democrático. Não assustamos ninguém com propostas abusivas que são, na verdade, compra de voto. Há anos os compromissos do PT foram desvirtuados”, criticou.

Foco de toda a movimentação entre ambos os partidos, Alex Manente classificou a presença maciça de “caciques” tucanos como a prova de que há possibilidade de desbancar Marinho no pleito “na terra do ex-presidente”, em menção a Lula. “. O que vimos hoje foi que existiu um envolvimento do PSDB e PPS da campanha em São Bernardo. Muitas vezes, por ser a cidade do ex-presidente (Lula), as pessoas acham que é uma cidade já território do PT. O que eles quiseram demonstrar é que existem formas de se ganhar. Hoje nós mostramos que é possível ganhar a eleição em São Bernardo do Campo”, afirmou.

Principal figura do tucanato, Serra elogiou a aliança PPS-PSDB e, a exemplo de Guerra, fez claros ataques ao petismo. “Nós respeitamos o adversário. Não destruímos ninguém, isso é fascismo. O partido do poder atualmente atua para a destruição”, disparou. Mesmo sob a tarefa de retomar o comando da prefeitura de São Paulo, Serra discursou se colocando à disposição para eventual reforço à campanha de Manente e Ferro, além da possibilidade de dar pitacos no plano de governo da dupla.

“Estarei em campanha, mas no dia que precisar eu venho aqui ajudar , na disponibilidade de tempo. Ofereço também ao Admir (Ferro) e Alex (Manente) minha ajuda para dar dicas sobre coisas que deram certo (nas gestões à frente da prefeitura paulistana e Governo do Estado)”, disse. Em São Paulo, Serra tentará retornar ao comando da maior cidade do país em confronto declarado ao ex-ministro da Educação, Fernando Haddad (PT).

Propaganda – o primeiro ato público da pré-candidatura envolvendo o PPS e PSDB de São Bernardo contou com uma amostra do que deve ocorrer durante o período eleitoral na cidade, a partir de julho. As propagandas televisivas da atual administração do município, veiculadas em horário nobre, foram o principal alvo de crítica do bloco tucano-popular-socialista.

“Vamos ter um governo voltado para as pessoas e não que faz obra para a televisão”, disse o deputado federal William Dib (PSDB). O argumento utilizado pelo bloco colocou em xeque a estratégia de publicidade do governo Marinho em detrimento do orçamento de algumas Pastas. Entre elas, Segurança Urbana e Desenvolvimento Social, segundo PPS e PSDB, com orçamento anual menor do que o montante gasto pela Administração com propaganda do governo.

Tal crítica rendeu ao governo petista, por parte do bloco opositor, o rótulo de “governo da propaganda”. “Uma prefeitura que gasta mais de R$ 50 milhões em propaganda e R$ 10 milhões em Secretaria de Segurança Urbana – Guarda (Civil) Municipal – e gasta pouco mais de R$ 10 milhões em Assistência Social, que é uma das marcas do PT nacional ... não podemos deixar de pensar que é um governo da propaganda”, apontou Manente.

“Então é um governo da propaganda. Os custos dizem isso. Só estamos falando do que se encontra no orçamento”, completou. Outro aspecto muito questionado e que deverá dar a tônica do embate eleitoral entre PT x PSDB/PPS coloca lado a lado o montante de investimento em cada uma das campanhas. Considerada a campanha mais cara do país em 2008 (R$ 29,95 por voto), a campanha para reeleição do prefeito Luiz Marinho já começa a ser questionada pelos futuros adversários, no campo financeiro. O alvo em questão questionado por tucanos e populares-socialistas diz respeito à natureza de doações e arrecadações.

“Certamente a campanha dele será a mais rica, alertaremos a todo momento a população. É muito importante saber de onde vem esse dinheiro, quem está patrocinando a campanha e quais serão os interesses futuros desse patrocínio”, questionou Alex Manente. Ao final do evento, o que se comentava nos bastidores políticos da cidade antes mesmo da parceria ser fechada entre ambos os partidos foi confirmado por Manente e Ferro. O objetivo de unir as forças é realizar uma campanha plebiscitária, ou seja, turno único. “Desisti dessa luta (candidatura própria) para não ter segundo turno”, confirmou Admir Ferro.



Compartilhe:
 

Comentários 

  • Beto 26/4/2012 17:32:09 CADÊ A SUA MORAL ALEX, VOCÊ QUE TANTO FALOU P/ MIM, UM DIA NA CAMPANHA ANTERIOR, QUE JAMAIS ESTARIA AO LADO DO " DEM e PSDB".!!!!!... CADÊ A VERGONHA? E A MORALIDADE?

    PERDEU TUDO SÓ PARA OBTER PODER?
  • Beto 26/4/2012 17:24:50 Estou envergonhado com o Sr. Alex Manente, na última eleição ele foi Humilhado pelo PSDB de SBCampo, ele mesmo me falou que o Então Candidato da época Orlando Morando, não era Homem para sair Falando dele como Saiu, ele Desmentia o candidado do PSDB.
    Nós tínhamos o apoiado, mas desta Vez ele não merece nosso apoio.
First 1 Last 

Nome:

E-mail:

Comentário:

Código segurança:

< Voltar

Publicidade